Ajudar com o mínimo

Muitos daqueles que buscam ajuda e daqueles que ajudam, pensam na ajuda de uma certa maneira.

Essa maneira supõe que o ajudante é “grande” e o ajudado é “pequeno”.

 

Dessa forma, o ajudante é colocado como se soubesse o que é melhor para o ajudado. E muitas vezes também o ajudante é encarregado de permanecer a cargo do ajudado até que esse “fique bem”.

 

 

Isso na verdade cria uma dependência entre o ajudado e o ajudante, e transfere para esse último a responsabilidade pela mudança e pelo resultado.

 

 

Esse tipo de ajuda “prende” ambos: ajudante e ajudado. E também eventualmente diminui a dignidade do ajudado.

 

 

É claro que é um caminho de ajuda válido, e bem estabelecido que esse tipo de ajuda tem seu lugar, por exemplo, entre um cirurgião e seu paciente.

 

 

Porém esse ajudar tem limites. Ele é especialmente limitado quando aquilo que precisa ser modificado é algo que depende muito mais ou exclusivamente da atitude do ajudado.

 

 

Aí essa forma de ajudar tem pouco efeito. Por exemplo, quando alguém precisa de ajuda a fim de mudar algo em seu próprio comportamento. Nesse caso, esse tipo de ajuda pouco contribui.

 

 

A abordagem sistêmico-fenomenológica de Hellinger ajuda dentro de outra visão. Nela, o ajudante e o ajudado estão num mesmo nível. E o ajudante inclusive chega ao sistema do ajudado em último lugar.

 

 

Aí ajuda exatamente por saber menos, e não por saber mais. Porque não está atado aos pressupostos do ajudado, o ajudante o auxilia a ver aquilo que está fora de seu campo habitual de visão.

 

 

E uma vez que o ajudado vê, então nada mais é necessário – o ajudante se retira.

 

 

Isso é ajudar com o mínimo. E é um dos conceitos essenciais desse trabalho.

 

 

Caso esse texto lhe seja útil de alguma forma e você queira utilizá-lo, para nós é uma honra servi-lo. Só lhe pedimos, por gentileza, que cite a fonte.

Fonte:  http://constelacaofamiliar.net.br/ajudar-com-o-minimo/