Constelações em Homeopatia

Tradução do inglês por Dr. Décio Fábio de Oliveira Júnior (Com permissão expressa do autor)

A História das Constelações com os Remédios Homeopáticos

Pelo Dr. Johannes Latzel

O método sistêmico-homeopático chamado de “Constelações com os remédios homeopáticos” ( daqui para a frente referidos neste texto traduzido como “Constelações Homeopáticas”) foi iniciado pelo Prof. Matthias Varga von Kibéd (Diretor de uma Escola de trabalho Sistêmico) e Friedrich Wiest (Terapeuta sistêmico e Naturopata) em Munique.

Anos atrás estes dois espíritos pioneiros convidaram vários médicos homeopatas e junto com eles experimentaram constelações para estudar os “campos de informação” dos remédios homeopáticos. Vários grupos de trabalho evoluíram desta combinação entre homeopatia e terapia sistêmica , como por exemplo, em Munique (Friedrich Wiest), Stuttgart (Sybille Chattopadday), e Freiburg (J.Latzel, Beatrix Gessner). Neste ponto eu descreverei minha própria experiência com a abordagem da “homeopatia sistêmica”.

Em 1996 eu participei de um dos workshops experimentais mencionados acima. Eu fiquei maravilhado pela forma como a constelação demonstrou tão claramente as características médicas da Carcinosine, em um processo animado como se fosse de um filme. A Carcinosine produziu uma imagem exatamente como é bem conhecido na prática clínica, e experimentamos isto num contexto vivo de uma constelação melhor do que qualquer texto de homeopatia. O método desenvolvido pelos dois facilitadores de Munique pode ser resumido como se segue. Um participante é escolhido para representar a consciência do cliente: ele é o foco do trabalho. Então vários representantes são escolhidos para representar os sintomas-chave do remédio. Com a Carcinosine, p. ex. isto seria desejo de viajar, gosto pela dança, história familiar de doenças graves, agressão reprimida, desejo de comer chocolate, etc. A constelação é colocada e então o facilitador muda a disposição até que todos os representantes se sintam tão bem quanto possível. Este método revela a imagem da doença mais o processo de cura específico que o acompanha como foi conhecido da prática homeopática – assim em movimentos acelerados ( N.T. Fast Motion = movimento acelerado como aquele que é visto quando aceleramos um filme , p.ex. como nos filmes do cinema mudo antigo) e concentrado nos pontos essenciais.

Inspirado por este workshop em Munique eu me juntei a minha colega homeopata Dra. Beatrix Gessner (Konstanz, Alemanha) para organizar um trabalho médico em grupo, e nós começamos a experimentar com constelações homeopáticas em bases regulares.

Os resultados destes grupos nos surpreenderam:

Como regra, as constelações dos remédios mostraram aspectos essenciais das características do remédio. Algo como a “essência” , o tema principal, o significado profundo da doença tornou-se visível.

Começando a partir do quadro clínico e sem uma intervenção aparente de fora, a constelação desenvolveu um caminho de cura específico para o remédio. Os sintomas da doença foram quase sempre transformados em recursos e qualidades e assim mostraram um processo dinâmico de cura específico e característico deste remédio.

Os efeitos das constelações nos participantes foram ampliadores da percepção, inspiradores, benéficos e algumas vezes claramente curadores. Nós frequentemente sentimos , com uma clareza tangível, a presença de um “campo de cura” , que nos fortaleceu no nível da alma, e nos ajudou em nossos processos de crescimento pessoais.

Nós notamos que o poder das constelações foi frequentemente enfraquecido quando nós ativamente queríamos alcançar uma resolução ou uma cura. Comparável ao tratamento homeopático, a constelação parecia produzir seu efeito mais forte quando o facilitador evitou interferir tanto quanto possível. E isto parece um paradoxo: o efeito da constelação foi claramente mais forte quando o facilitador se refreou de fazer mudanças específicas e focou nas atividades de perguntar e observar, muito parecido com o procedimento da anamnese homeopática ( tomada da compreensão).

Foi notável que, mesmo percebendo que nós nos concentramos em um único remédio por reunião em nosso grupo, o efeito benéfico foi usualmente sentido por todos os participantes. Na homeopatia clássica o médico procura um remédio específico para a situação também específica do paciente. Ao invés de focar no problema específico de um indivíduo, em nosso experimento focamos no remédio, apesar disto o campo de cura do respectivo remédio pareceu alcançar cada participante. Ele mostrou-se em seu essencial padrão interior, um padrão arquetípico próprio que foi de certo modo familiar para cada um dos participantes.

Com o remédio Sulphur, p. ex. , nós vimos uma vívida demonstração da tendência a simplesmente excluir tudo o que incomoda, e fingir que tudo está bem. Com Tuia, nós testemunhamos uma fixação quase fanática em um ponto específico e uma perspectiva também específica. Com Medorrinum, nós experimentamos a dificuldade de se entregar. Com Sépia, nós vimos a luta da mulher contra as regras do homem. Dentro das constelações os fatores característicos dos remédios apareceram em um estilo perfeitamente claro. Um filme criado especialmente para ilustrar as características do remédio não poderiam ter mostrado isto melhor.

Isto nos fez ponderar em que extensão estes efeitos dependiam do nível de conhecimento dos participantes acerca da matéria. Contudo, experimentos conduzidos com grupos de participantes não treinados em homeopatia produziram os mesmos efeitos característicos dos remédios com clareza igual ou mesmo maior. Nós podemos confiar na presença do campo de informação e de cura dos remédios nas constelações. Isto nos impressionou muito profundamente, e nós decidimos continuar com nossos experimentos.

Um tremendamente excitante pensamento surgiu: Se um remédio pode se tornar presente como um campo tão logo saibamos seu nome e sejamos capazes de colocar vários de seus sintomas-chave, da mesma forma poderia o campo específico de informação e cura de um remédio específico apropriado a um participante tornar-se presente em uma constelação ? Poderíamos nós colocarmos uma constelação específica para o remédio homeopático de um cliente, mesmo se nós não soubéssemos seu nome ? Seria suficiente apenas colocar os vários sintomas que são essenciais ao caso – como com as constelações dos remédios conhecidos – mais a variável “ o remédio homeopático do cliente X” ? E se, por meio da colocação da constelação, for ao contrário possível permitir que o campo informacional e curativo de um remédio se torne presente para um cliente? Como facilitar isto da melhor forma? Quais são as possibilidades, quais são os riscos ? Que tipo de benefícios podemos esperar e onde nós devemos esperar encontrar os limites da aplicação deste método ? Como pode o trabalho com os campos informacionais e curativos dos remédios homeopáticos ser usado para o benefício das pessoas que sofrem ?

Nossas experiências mostraram que as constelações homeopáticas se provaram especialmente benéficas se o facilitador assume uma postura “fenomenológica”, sem qualquer intenção, e não aspira resolução ou cura. Nós temos assim, chamado de constelações homeopáticas um método de aumentar a autodescoberta e o próprio crescimento pessoal , e não chamamos isto de terapia.

Mas porque , precisamente, esta postura não-intencional do facilitador provou ser tão claramente benéfica para tantos participantes? Em que medida pode uma jornada de autodescoberta que não é terapeuticamente orientada ser curativa? Existe alguma coisa como um campo de inteligência inerente aos remédios e na homeopatia em geral que, uma vez presente no recinto , estimule processos de cura em cada membro do grupo? Muitas questões mais advém destes experimentos, por exemplo:

– Qual é o modo de ação dos remédios homeopáticos? Será que eles funcionam através de campos morfogenéticos?

– Serão as formulações dos remédios uma conexão intermediária com estes campos morfogenéticos?

– Será que um dia dispensaremos remédios que não serão administrados na forma de substâncias, mas que revelarão seu efeito na forma de trabalho puramente mental, por meio de uma constelação?

Até então eu estava qualificado como clínico geral e homeopata. Para explorar estas questões eu decidi, junto com minha esposa Suzanne Latzel, completar o treinamento em terapia sistêmicia e constelações familiares com Sneh Victoria Schnabel. Nós então fundamos um instituto para treinamento e pesquisa em Freiburg: das Institut für Systemische Homöopathie.

O Instituto tem sido um local onde o método das constelações homeopáticas tem sido aplicado de múltiplos modos. Embora o método esteja ainda no estágio experimental, e muitas perguntas ainda esperem uma resposta, os seminários sucessivos tem sido sempre um grande sucesso, com muitas experiências divertidas e muito curativas para todos. Eu desejo acrescentar aqui os colegas que tem também experimentado a combinação do trabalho sistêmico e da homeopatia: o já mencionado antes naturopata e terapeuta sistêmico Friedrich Wiest em Munique, os médicos homeopatas Hans Baitinger em Nuremberg, Sibylle Chattopaddhay em Stuttgard e Andreas Krüger , naturopata e diretor da escola Samuel-Hahnemann em Berlim.

Os elementos essenciais do trabalho do Instituto podem ser resumidos como se segue:

A aplicação das constelações homeopáticas como é implementada no nosso instituto (ISH Freiburg) :

– Como parte integral das reuniões do nosso círculo de médicos homeopatas, em intervalos assíduos e regulares.

– Como parte integral de nossos workshops em educação continuada.

– Como workshops de desenvolvimento pessoal em finais de semana.

– Como elemento de grupos que estão se desenvolvendo e treinando em trabalho sistêmico.

Definição:

As constelações homeopáticas são um método para promover crescimento pessoal e autoconhecimento. Elas ativam e reforçam a capacidade do corpo para a auto cura.

As constelações homeopáticas não são terapia no sentido clássico do termo e não objetivam substituí-la. Elas podem entretanto suplementar tais terapias e melhorar as condições sobre as quais tais terapias podem se tornar mais efetivas. Elas são úteis como um elemento de educação continuada em homeopatia e outros campos relacionados.

Modo de ação das constelações homeopáticas

De acordo com o princípio básico da homeopatia, o similar cura o similar, a alma busca encontrar na doença e no sofrimento algo que seja similar à causa de seu sofrimento.

A alma está olhando para uma imagem de similaridade – algo que reflete sua situação patológica e problemática como foi – de modo a se conhecer melhor. Pelo reconhecimento de si nesta imagem os poderes inerentes de auto cura da alma são ativados. Dentro da tradição da homeopatia clássica, tal imagem é transmitida à alma pelos remédios homeopáticos.

As constelações homeopáticas mostram que é possível receber tais imagens em situações de grupo. O pré-requisito para isto é a existência de campos informacionais. Nas constelações homeopáticas nós usamos o poder do grupo para penetrar em tais campos de informação. Através do convite ‘a consciência dentro do contexto da doença estes campos podem se tornar efetivos. A constelação trabalha com o campo informacional e de cura da homeopatia ou de um remédio específico. ( veja Rupert Sheldrake, The Presence of the Past, para informações sobre a teoria dos campos morfogenéticos).

Os remédios homeopáticos revelam seus efeitos de uma forma muito específica; eles são desenhados para o indivíduo. Em um tratamento dentro da homeopatia clássica é deste modo necessário conduzir uma anamnese ampla e abrangente. Ao mesmo tempo, contudo, os campos informacionais e de cura tem um efeito coletivo. Cada alma humana ressonará em uma certa extensão com cada remédio homeopático, ou encontrará nele um aspecto correspondente. Em uma constelação, os campos informacionais e curadores podem alcançar, tocar e influenciar cada participante individual do grupo, tanto quanto ele ou ela esteja aberto a isto. Neste contexto o campo funciona menos como terapia para doenças e mais como algo que fortalece a alma e o corpo.

Formas de constelações homeopáticas

As constelações homeopáticas podem ser gerais ou pessoais. Elas ou se referem a um contexto geral de um remédio homeopático bem conhecido ou a um contexto pessoal de um remédio especificamente indicado para um indivíduo participante de um grupo. O nome do remédio requerido pelo participante nem precisa ser conhecido.

Grupo-Alvo

As constelações homeopáticas são indicadas para pessoas que estejam desejosas de tomar responsabilidade por si mesmas, que estejam abertas a novas experiências e que querem promover seu próprio processo de cura assim como o de outra pessoas. As constelações homeopáticas podem ainda ser usadas como elemento de treinamento nas carreiras médica, social ou de ensino.

Usos das constelações homeopáticas

As constelações homeopáticas são um caminho para aumentar o autoconhecimento e desenvolvimento pessoal, e deste modo não são orientadas para um efeito curativo direto. Elas podem contudo fortalecer as forças de auto cura e apoiar os processos de cura. Elas nos ensinam a ser mais presentes, ter mais percepção, nos comunicar melhor e ser mais precisos em nossa linguagem. Elas ainda nos treinam em nossa intuição, criatividade e espontaneidade. Para pessoas interessadas em homeopatia e que aplicam a homeopatia terapeuticamente, as constelações fornecem uma excelente forma de aprender acerca dos princípios da homeopatia e sobre os remédios individuais através de uma experiência direta.

Pré-requisitos para o facilitador de constelações homeopáticas

Para se qualificar a facilitar constelações homeopáticas você precisa ter considerável conhecimento e experiência com trabalho terapêutico. E, ao mesmo tempo, uma vez que comece com a constelação, você precisa esquecer todos os conceitos terapêuticos. Você deveria ter um conhecimento considerável de homeopatia e do princípio que o similar cura o similar. Tanto constelações gerais como pessoais em homeopatia requerem que você domine com maestria a arte de encontrar alguns sintomas ou problemas característicos. Uma parte crucial das constelações homeopáticas é encontrar aquilo que é essencial.

Peculiaridades das constelações homeopáticas

– As constelações homeopáticas não se referem primariamente ao passado ou ao futuro. Elas funcionam com o poder do momento. Elas não tem um propósito específico ou uma forma claramente definida. Elas não tem um objetivo ou meta

– Elas levam a um profundo entendimento dos princípios básicos da cura homeopática

– Elas não são complicadas. Elas são simples.

– Elas desenvolvem-se com uma cooperação de todos os participantes do grupo e dá espaço a aquilo que se desenvolve dentro deste espírito de comunhão e sem qualquer intervenção direta.

– Elas não objetivam uma solução rápida e não se espera que o terapeuta forneça uma solução. Ele honra o caminho que surge em pequenos passos e confia nos poderes de cura inerentes da alma.

– Elas não devem ser interpretadas como universalmente válidas. Ao contrário, elas permitem diferentes interpretações dos participantes e estas diferenças devem ser respeitadas.

– Elas buscam por uma qualidade oculta na dificuldade, por um poder de cura que funciona através da doença por uma nova força que advém da fraqueza.

– Elas são um meio sério de trabalhar em busca da cura e do autodesenvolvimento. E ao mesmo tempo são divertidas e leves, e despertam a alegria interior.

O Autor:

Johannes Latzel, M.D. é um homeopata clássico e clínico geral. Ele dirige uma clínica em Freiburg/Breisgau, Alemanha. Junto com sua esposa Susanne (professora de música e terapeuta crânio-sacral ), ele dirige o Institut für Systemische Homöopathie Freiburg.

Você pode contactá-los em :

Hartkirchweg 69b

79111 Freiburg Germany

Phone : ++ 49 (0)761 476-2143

Fax: ++ 49 (0)761 476-2168

e-mail: info@ish-freiburg.de

web: http://www.ish-freiburg.de

Caso esse texto lhe seja útil de alguma forma e você queira utilizá-lo, para nós é uma honra servi-lo. Só lhe pedimos, por gentileza, que cite a fonte.

Fonte:  http://constelacaofamiliar.net.br/constelacoes-em-homeopatia/