PERGUNTAS FREQUENTES 

Esclareça suas dúvidas sobre Constelação Familiar

Trata-se de um método de ajuda baseado nas descobertas do alemão Bert Hellinger, que coloca pessoas que estão presentes no grupo para representar membros da família ou grupo social do cliente. Hellinger descobriu 3 (três) leis naturais que atuam nos relacionamentos humanos e tais leis são tão verificáveis como a lei da gravidade, se nos dermos ao trabalho de observar. São também chamadas de ordens do amor que são: hierarquia (estabelecida pela ordem de chegada), pertencimento (estabelecido pelo vínculo), equilíbrio (estabelecido pelo dar e tomar/receber). Quando tais leis são violadas numa família, surgem compensações que atuam nos membros da mesma, como: depressões, doenças, dificuldades nos relacionamentos, dificuldades financeiras, etc. Graças à representação, o cliente pode perceber onde o seu amor está preso e o que ele pode fazer para que tais leis possam ser novamente respeitadas e o amor possa voltar a fluir. Então ele pode, talvez, enxergar o próximo passo que o conduza de uma maneira mais leve na vida, solucionando a questão que o incomoda.

O nome original do trabalho desenvolvido por Bert Hellinger em alemão é Familienaufstellung e significa, numa tradução literal, “Colocação [Representação] familiar”. Porém o verbo “stellen” em alemão foi traduzido ao inglês como “constellate”, ou seja, posicionar certos elementos numa configuração dada. Como o primeiro livro traduzido ao português veio do inglês e não do original em alemão, foi então traduzido como “constelações familiares”. O termo “constelação” aqui nada tem a ver com estrelas, astrologia, esoterismo ou similares, mas tem sim uma conotação de uma representação, uma colocação onde os elementos são posicionados numa certa configuração de relações.

Não. A abordagem não está ligada a nenhuma religião ou credo. Também não pressupõe a necessidade de que o cliente creia em nada de antemão. É uma abordagem empírica e é baseada na própria percepção do cliente e dos representantes. Quem quer que misture essa abordagem com religião não está seguindo a metodologia segundo ela foi criada.

O fenômeno das constelações é ainda algo em estudos. Não se firmou totalmente a base científica para o mesmo, mas os melhores estudos a respeito foram feitos pelo biólogo inglês Rupert Sheldrake, que criou a Teoria dos Campos Morfogenéticos e estudou o fenômeno em pessoas e em animais com grande êxito. Possui diversos livros publicados e executou inúmeras pesquisas científicas com grande rigor estatístico. Tais livros foram traduzidos para  o português, sendo alguns dos mais conhecidos: “Porque os cães esperam seus donos” e “A sensação de estar sendo observado,” – editora Cultrix. As pessoas interessadas em compreender melhor esse fenômeno podem buscar respostas através de estudos como o de Sheldarake, pois durante nossos cursos  não nos ocupamos em explicar ou estudar o fenômeno em si, apenas o utilizamos em benefício do cliente para auxiliá-lo a esclarecer suas questões.

Um workshop vivencial é uma experiência limitada de um a dois dias, onde se reúnem pessoas que desejam solucionar alguma questão pessoal. Num workshop assim, a proposta é única, e somente trabalharmos com o interessado durante aquele evento, a partir de uma necessidade trazida por ele. Num treinamento, há uma proposta de crescimento mais profunda, e trabalham-se diversos temas, seguindo uma estrutura de módulos: meu lugar na minha família de origem, relacionamento de casal, relação de ajuda profissional, temas mais amplos como conflitos, postura do ajudante, constelações de negócios, etc. Um treinamento dura cerca de 1 ano e meio, onde fazemos 06 encontros num espaço de mais ou menos 3 meses e os alunos podem se desenvolver nos temas de maneira gradual e mais assistida, rumo a uma transformação mais profunda. O objetivo do nosso Treinamento é conduzir o aluno de forma que ele encontre uma postura tal que o permita ampliar cada vez mais sua percepção da realidade e da vida no dia-a-dia. É aberto a qualquer pessoa que esteja disposta a montar sua própria caixinha de ferramenta para usar na sua própria vida e até mesmo no seu trabalho. Todos são muito bem-vindos. O único pré- requisito é que seja maior de 18 anos.

Opção de inscrição para Constelar: O cliente tem uma questão e gostaria de olhar sobre a luz dessa abordagem, então se inscreve para constelar e é atendido pelo Facilitador no decorrer do Workshop, participa efetivamente todo o tempo, assistindo e podendo ser convidado como representante em outras constelações.

Opção de inscrição para participar como Ouvinte: O cliente participa em tempo integral, assistindo e também pode ser convidado como representante. Apenas não terá um espaço para colocar uma questão pessoal, ou seja, não constela.

Claro! O trabalho de um cônjuge, mesmo que seja de um tema pessoal, permite ao outro que o acompanha, perceber como os movimentos de amor de seu parceiro(a) se desenvolvem. Permite ver que por trás daquilo que o outro faz atua um amor profundo, antes não percebido e isso enriquece a relação e a compreensão mútua. Há exceções, por exemplo, quando um dos cônjuges não deseja que o outro vá. Nesses casos, o melhor é aceitar a necessidade de privacidade do outro. No entanto, temos recebido muitos casais em nossos Treinamentos e o que se mostra é que eles se unem ainda mais, caminham e crescem juntos!

Isso depende. Por regra, os pais podem fazê-lo por seus filhos pequenos, mas nem sempre pelos filhos adultos. O motivo é simples. Uma criança está sob grande influencia de seus pais e portanto, muitos dos fatores que atuam numa criança passam pelo comportamento dos pais. Já com filhos adultos, a chance de que uma mudança no comportamento dos pais possa vir a ter algum efeito nos mesmos é muito menor. Há, contudo exceções em ambas situações e se esse é o seu caso, sugerimos que entre em contato com nossos organizadores locais e converse com ele sobre o assunto antes de vir ao workshop.

Originalmente trabalhávamos apenas com maiores de 14-15 anos. Contudo, a experiência que acumulamos nos anos recentes e também a experiência de Bert Hellinger e sua esposa Sophie com crianças tem se mostrado muito frutífera. Nesses casos porém, os pais (ou pelo menos um deles) precisam estar presente. Temos recebido crianças de cerca de 8 anos que ficam tranquilas e participam ativamente dos workshops. Crianças muito pequenas não conseguem ficar sentadas e atentas ao trabalho todo o tempo e, portanto devem vir somente no momento de seu próprio trabalho, mas seus pais devem participar de todo o workshop. Lembrando que na verdade esse trabalho atua em toda a família, mesmo que os demais membros não estejam presentes.

Sim, com ressalvas. Alguns critérios precisam ser atendidos antes que possamos trabalhar com um dependente químico: ele(a) não pode estar “em surto” ou em “abstinência” e precisa “querer” realmente algo. Nossa experiência mostra que, muitas vezes, são os familiares que desejam muito que o dependente trabalhe e, de diversas formas, exercem pressão para que ele(a) venha para o workshop. Fazem isso com muito amor, mas é muito comum que não tenha nenhum efeito, pois é feito sem o desejo do maior interessado. No entanto, temos recebido muitas vezes os pais e esses podem constelar e podem perceber algo que seja útil e que possa liberar o seu filho(a).

Sim. Preste atenção, porém, que esse trabalho não é um substituto para o tratamento médico adequado. Temos tido experiências muito enriquecedoras trabalhando com esse tema. Você pode ver algo mais sobre esse tema, assistindo aos vídeos nos links a seguir: Saúde e Doença na Família e Saúde na Família

Não. Não é necessário. Como regra, quase sempre aquilo que atua em uma família nem sempre é totalmente sabido por todos os membros dessa família. Por exemplo, é comum que relações amorosas dos pais ou avós que antecedem o casamento dos mesmos sejam pouco conhecidas pelos filhos ou netos. Sendo assim seria inútil a alguém querer saber de antemão todas as informações relevantes, mesmo porque essa pessoa não saberia exatamente que informações buscar e nem com quem da família deveria fazê-lo. Habitualmente as constelações tem a propriedade de descortinar as informações cruciais que tem relevância. Aliás, esse é o maior mérito dessa abordagem. Assim sendo, para quem deseja participar, sugerimos apenas relaxar e participar sem se ocupar em levantar informações prévias. O essencial se mostra através do trabalho em si.

Não, ele se destina primariamente a auxiliar os alunos a encontrarem uma postura que lhe permitam ampliar sua percepção da realidade e como utilizar isso para encontrar soluções úteis no dia-a-dia. É claro que quando alguém se aprofunda na percepção, poderá eventualmente vir a trabalhar com a abordagem, porém pessoas interessadas em seu próprio crescimento pessoal também têm nesse treinamento uma excelente oportunidade. Oferecemos ainda, um curso de Aprofundamento em 03 módulos para aqueles que concluíram o Treinamento Básico e desejam trabalhar diretamente com a abordagem.

De modo algum. Um workshop busca auxiliar cada um a dar um passo numa boa direção, através de uma representação de sua questão. Porém, é comum que devido a grande efetividade do método e em face aos bons resultados anteriormente obtidos, nossos clientes muitas vezes retornem mais tarde com outras questões a serem solucionadas ou simplesmente participarem sem constelar (ouvinte).

Pode. Porém é uma pena, por várias razões. A primeira é que num workshop o trabalho dos demais integrantes é uma grande oportunidade de aprendizado para todos. A segunda é que sendo representante ou assistindo também se ganha algo. Assim você pode sair de um workshop com muito mais. Além do que foi buscar com sua questão específica, ou seja, o maior aproveitamento está em participar todo o tempo. Por último, para que um integrante tenha a oportunidade de ter sua família representada, ele usa os demais integrantes do grupo como representantes, se cada pessoa for indo embora na medida que constela, quem estará disponível para os demais que ficaram? Felizmente, essa não é a prática corrente da maioria dos inscritos, em nossa experiência.

Não isso não é possível, pois o trabalho não acontece de forma cronometrada. Muitas vezes a pessoa precisa de um certo tempo para poder estabelecer claramente sua prioridade ou questão e não podemos garantir que alguém estará “pronto” para constelar numa determinada hora marcada com antecedência.E como dissemos acima, para que uma pessoa tenha a oportunidade de ter sua família representada (colocar sua constelação), ele usa os demais integrantes do grupo como representantes, se cada pessoa for indo embora à medida que constela, quem estará disponível para os demais que ficaram? Além disso, a riqueza de participar de um workshop vivencial esta nas experiências compartilhadas em todo o período que o grupo esta junto.

Não. Nossa experiência de mais de uma década mostrou que o grupo de participantes vai “amadurecendo” ao longo do trabalho e nutrindo uma confiança recíproca. Quando permitimos a entrada de novos participantes no final do evento isso cria uma desarmonia no trabalho com o grupo, também porque o novo participante não está a par do que foi dito ou feito antes. O próprio participante que chegar no último período certamente não se sentirá a vontade, pois não perceberá o que os outros já estão percebendo e ficará com muito pouco do todo que pode ganhar participando desde o inicio.

Não. Há muitas razões pelas quais isso não é recomendável. Além das restrições de tempo, observamos ao longo dos anos que uma constelação produz um profundo efeito na pessoa que a experimenta. Houve situações, no início de nossa experiência com as constelações, quando fizemos com alguns clientes, mais de uma constelação no mesmo workshop. O que observamos é que a pessoa ficava bastante “sobrecarregada” e cansada. Além disso, a consecução de dois trabalhos num intervalo de tempo tão curto produz uma certa “perda de foco” no cliente que se vê avassalado por uma grande carga de informação emocional. Sendo assim, não recomendamos e nem fazemos mais de uma constelação com o mesmo cliente num único workshop.

Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, quando trabalhamos com sistemas, observamos que poucas causas geram uma miríade de efeitos. Como diz Bert Hellinger, “todos os raios de uma roda se unem no mesmo centro”. Uma desordem fundamental gera uma sequência de perturbações em diversos aspectos da vida do indivíduo que parecem, a princípio, desconectados entre si, mas na verdade estão ligados e são interdependentes. Já observamos pessoas constelarem até 4 temas “diferentes” em momentos diferentes, e as 4 constelações, feitas por 4 consteladores diferentes gerarem ao final a mesma imagem de solução, já que o movimento que se mostrou como essencial desde a primeira vez não havia sido feito pelo cliente. Sendo assim, se você escolhe um tema realmente importante, a constelação o levará a um ponto essencial para a solução. Uma vez que tal imagem é tomada seriamente pelo cliente isso produz, geralmente, efeitos em diversos aspectos de sua vida. Por regra, sugerimos a cada cliente que aguarde algum tempo antes de constelar “outros temas”, exatamente por isso. Porém, se depois de algum tempo os demais temas ainda permanecerem importantes e se você ainda não consegue resolvê-los sozinho, aí sim talvez você queira possa buscar novamente ajuda.

Se você tem uma questão clara, então pode ir a um workshop vivencial, pois isso deve bastar para auxiliá- lo a se mobilizar em direção a uma solução. Um treinamento envolve uma proposta de aprofundamento e por um tempo mais longo de trabalho, e diversos temas. Portanto, se você quer compreender mais profundamente as Leis do Amor que regem os relacionamentos humanos, o Treinamento lhe será muito útil.

Hellinger, desde 2005, vinha regularmente ao Brasil todo ano para um evento. Houve um intervalo entre 2010 a 2012. Desde então ele retornou para um evento anual em SP. Tem trabalhado regularmente na Alemanha. Com certeza, você conseguirá participar de algum evento com ele. Se desejar, por favor veja sua agenda em www.hellinger.com

Hoje, graças ao trabalho que também desenvolvemos na Editora Atman, existem muitos títulos traduzidos para o português. Há duas editoras que traduzem e publicam trabalhos de Hellinger e outros autores sobre Constelações Familiares: a editora Cultrix (www.cultrix.com.br) que tem 9 títulos publicados sobre esse tema e a editora Atman (www.atmaneditora.com.br) com 20 títulos publicados. Essa última editora também publica DVD’s com vídeos de trabalhos de Bert Hellinger, e não cobra frete no envio de mercadorias para todo o Brasil, o que facilita as compras através do site. Você também pode encontrar os livros da Cultrix no site da Atman. Há ainda alguns textos em nosso site sobre diversos temas relacionados à abordagem. Veja o link http://constelacaofamiliar.net.br/textos-sobre-constelacao-familiar/ Você pode também visitar a fanpage: Editora Atman no facebook.

Não há necessidade, porém se o participante realmente desejar, pode fazê-lo. Nesse caso sugerimos como primeira leitura o livro: A fonte não precisa perguntar pelo caminho, Bert Hellinger, editora Atman ou Ordens do Amor, Bert Hellinger, editora Cultrix. Os sites para aquisição são: www.atmaneditora.com.br ou www.cultrix.com.br, respectivamente.

Não é preciso, no entanto isso não é proibido. Já tivemos diversas situações onde muitos membros de uma mesma família estavam presentes num grupo, e em todas as ocasiões sempre se mostrou útil para todos. Porém, quando se trabalha numa constelação sempre precisamos ter em conta que o melhor interesse de todos os membros familiares deve ser levado em consideração e o respeito por todos é uma condição primordial para o trabalho, estando esses presentes ou não.

Claro. As empresas também estão submetidas às mesmas leis que regem as relações humanas, pois são compostas por pessoas. Nesse caso, porém, temos que levar em conta que somente podemos trabalhar com questões onde o participante tem poder de mudar, ou seja, não podemos constelar uma questão onde o poder de decisão na verdade pertence à outra pessoa, como por exemplo o meu chefe ou o dono do negócio no qual sou empregado. Posso, entretanto, constelar o departamento do qual sou chefe, pois aí tenho poder de decisão.

Sim, perfeitamente. Tais questões via de regra tem profundas ligações com as relações dentro da família. Muitas dinâmicas surpreendentes, envolvendo dificuldades com dinheiro, vem à luz através das constelações.

Não trabalhamos com o foco em doenças, mas em pessoas e suas questões. A síndrome do pânico é um diagnóstico médico e envolve uma reação a diversas questões de fundo familiar diferentes. Assim, não constelamos a “síndrome do pânico”, mas as questões e dificuldades ou temas da pessoa que talvez tenha recebido tal diagnóstico. Repetindo o que já dissemos antes, nas constelações não trabalhamos com diagnósticos médicos e não pretendemos substituir o tratamento médico ou nos colocar acima dos médicos e da medicina. Trabalhamos com foco nas dinâmicas de amor que atuam na família, amor esse que pode levar à doença, mas também à cura. No entanto, isso às vezes tem profundos efeitos terapêuticos, mas não é um substituto para a medicina.

Muito! Existe hoje, inclusive no México e na Espanha, universidades que ensinam essa abordagem aplicada às escolas – a Pedagogia Sistêmica. No Brasil, a editora Atman (www.atmaneditora.com.br) traduziu e publicou o livro Você é um de nós, de Mariane Frank-Gricksch – onde ela relata sua vasta experiência de como é possível a aplicação dessa abordagem com alunos em sala de aula, com grande sucesso. Mariane tem oferecido alguns workshops no Brasil, eventualmente. E mais recentemente, treinamento. Em nosso site também coletamos relatos de professores e educadores do Brasil que aplicaram e aplicam com sucesso essa abordagem em sala de aula. Veja na parte de “Textos Pedagogia Sistêmica” de nosso site. O link é Pedagogia Sistêmica

Sim, e inclusive a constelação habitualmente pode revelar muito sobre a situação em si, ampliando a visão de quem necessita tomar uma decisão sobre as muitas questões contextuais que quase sempre a pessoa envolvida não consegue perceber por estar muito “dentro” da questão. No entanto, isso não deve ser usado como uma prescrição.

Claro, desde que não seja uma gravidez de risco, já que essa requer muitas vezes até mesmo repouso relativo da gestante. Porém é bom que o(s) facilitador(es) e o organizador seja(m) informado(s) do fato de você estar grávida de modo a proporcionar-lhe mais conforto durante o evento.

Não, nesse caso a mãe e/ou pai da sobrinha talvez pudessem, mas a tia ou o tio não tem tal autoridade, mesmo que ame muito a sobrinha. Isso seria se colocar acima dos pais, mesmo que com muito amor.

Sim, pode. O trabalho com as constelações não é um substituto para o tratamento médico, mas é um ajudante poderoso. Não recomendamos a ninguém que retire seus medicamentos e nem prescrevemos medicamentos a ninguém no trabalho de constelações. No entanto, se você estiver tomando alguma medicação que altere seu estado de consciência, por exemplo lhe deixa apático, sonolento etc., sugerimos que aguarde, pois o seu aproveitamento poderá ser bastante prejudicado.

Sim, claro.A deficiência física não interfere no trabalho. Recebemos pessoas com limitações físicas e isso nunca foi um fator que o impede de participar, inclusive são convidados a serem representantes como qualquer outro membro do grupo.

Sim, pode. Num treinamento a proposta de trabalho é mais intensa e profunda, e abrange tudo o que é feito num workshop vivencial e mais ainda.

Essa é uma abordagem empírica, ou seja, baseada na observação direta dos fenômenos que percebemos no cliente e nos representantes. Um ceticismo saudável é sem dúvida uma boa postura para quem deseja algo de qualquer abordagem, e também é o caso das constelações. Não é necessário nenhuma fé, crença, religião etc. para poder participar e aproveitar algo. Hellinger descobriu certas leis naturais que regem os relacionamentos humanos e tais leis são tão verificáveis quanto a lei da gravidade, se nos dermos ao trabalho de observar. Aliás, sempre sugerimos aos participantes que não “acreditem” em nada daquilo que falamos, mas que verifiquem pela própria observação.

Não. Hellinger sempre fundamentou seu trabalho na observação empírica dos fenômenos observados através dos representantes e dos clientes mesmos. Conceitos como “alma” e “espírito” no trabalho de Hellinger tem bases empíricas verificáveis e nada tem a ver com os conceitos que tais palavras têm no jargão habitual do esoterismo.

Não. Bert Hellinger hoje é um palestrante de renome internacional e não trabalha com pequenos grupos e sim com grupos maiores de pessoas, geralmente treinamentos avançados ou workshops focados em temas específicos como organizações, trabalho com casais, etc. em diversas cidades do mundo. Os workshops vivenciais oferecidos pelo iDESV são desenvolvidos pelo casal de facilitadores Décio e Wilma Oliveira que contam com mais de uma década de experiência na abordagem e foram os organizadores dos seminários de Bert Hellinger no Brasil entre 2005 a  2009.

Sim, existem livros em alemão tratando especificamente sobre o tema das constelações com pacientes psicóticos. Entretanto nenhum foi traduzido para o português até o momento.

Não, ele é aberto a qualquer pessoa que deseje crescer e expandir sua percepção sobre as leis que governam os relacionamentos. O único pré- requisito é que seja maior de 18 anos, no caso do treinamento. No caso do workshop, recomendamos que, se menor, venha acompanhado por um dos responsáveis.

Nosso cronograma de trabalho envolve geralmente uma hora e meia a duas horas para almoço. Terminamos geralmente entre 18 e 19 horas em workshops e 20:30 horas em treinamentos básicos de forma que os participantes possam retornar para casa.

Sim, pode desde que não haja uma restrição médica para o seu transporte até o local do evento. Pedimos que comunique sua limitação ao organizador para que ele possa cuidar de oferecer maior conforto.

Nesse trabalho não solicitamos dados ou detalhes pessoais de foro íntimo. Também o cliente sempre tem a possibilidade de se recusar a revelar algo que considere constrangedor e parar o trabalho, a seu pedido. Porém a atmosfera respeitosa e de não-julgamento que impera no trabalho de constelações, via de regra, faz com que tais preocupações sejam infundadas. Por outro lado, geralmente as famílias, mesmo diferentes, tem histórias similares.

Isso depende da necessidade individual de cada pessoa que participa. Se a pessoa em questão já tem uma necessidade ou um tema pessoal importante o qual deseja solucionar, então a inscrição deve ser feita para constelar. Em outros casos sugerimos a inscrição como ouvinte, no caso de alguém que já constelou outras vezes e deseja ainda aprender mais com o trabalho, mas não tem no momento um tema, ou ainda no caso de alguém que deseja apenas ter um contato inicial com a abordagem antes de se decidir a colocar um tema para uma constelação.

Nesse caso sugerimos que acesse o site do próprio Bert Hellinger (www.hellinger.com) e encontre lá a informação sobre um profissional para referenciar seus amigos e parentes. Outra possibilidade é que você nos contate pessoalmente por email (eventos@idesv.com.br) e nos informe onde o seu parente reside de modo que possamos referenciar com base em nossos conhecimentos de profissionais estrangeiros com os quais temos ou já tivemos contato.

Sim, é possível, mas não é aconselhável. Sugerimos não perder parte alguma do curso, especialmente a abertura, que é quando apresentamos aos participantes as bases e instruções básicas sobre a filosofia de Bert Hellinger e do trabalho em si. Quando alguém falta e perde por exemplo, 30% do conteúdo, pode ficar “meio perdido” e ter dificuldades para compreender direito as dinâmicas que surgem. Sugerimos que em cursos vivenciais (02 dias de duração) não se perca mais do que um período (uma manhã ou uma tarde). Não permitimos o ingresso de novos participantes após este período de tolerância, pois o grupo se sente meio alheio a participantes que ingressam muito depois que todos os demais, por isso estabelecemos esse limite, que tem se mostrado adequado de acordo com a nossa experiência.

Essa é uma abordagem muito útil para casais com dificuldades. Muitas vezes, os parceiros se amam, querem muito seguir juntos de uma boa maneira, mas tem dificuldades. Aquilo que leva a tais dificuldades pode se originar de questões inconscientemente ligadas à lealdade de um ou ambos os parceiros a fatos e problemas ocorridos na maioria das vezes, na família de origem de cada um ou a questões ligadas ao próprio casal e que não são adequadamente solucionadas antes, como a questão do equilíbrio entre eles. Para aqueles que querem saber mais, sugerimos a leitura dos livros:

E/ou que você assista ao vídeo:

Bem, não se faz simplesmente uma constelação “para a família de origem”. Uma constelação é feita para um tema específico, a partir de uma necessidade. Muitas vezes, por exemplo, alguém coloca como tema suas dificuldades com o parceiro(a) e o desenrolar da constelação nos leva a algo que atua na família de origem (como por exemplo uma relação difícil com nosso pai ou mãe). Nesse caso, aquilo que ocorre no relacionamento de casal é apenas um “efeito” de algo que atua entre o parceiro(a) e sua família de origem. Sugerimos sempre que a pessoa se concentre no tema que atualmente tem mais importância e prioridade. Geralmente, na nossa experiência, isso nos leva a somente UM tema REALMENTE significativo.

É um grupo de pessoas que desejam utilizar a abordagem para seu desenvolvimento pessoal de forma mais profunda e sistemática ou para mais tarde trabalharem com a abordagem. O objetivo do nosso Treinamento é conduzir o aluno de forma que ele encontre uma postura tal que o permita ampliar cada vez mais sua percepção da realidade e da vida no dia-a-dia. É aberto a qualquer pessoa que esteja disposta a montar sua caixinha de ferramenta para usar na sua própria vida e até mesmo no seu trabalho. Todos são muito bem-vindos. O único pré- requisito é que seja maior de 18 anos.

Entre em contato conosco através do email: eventos@idesv.com.br e teremos prazer em tornar isso possível.

Basta olhar no link “Agenda” desse site. Aí se encontra nossa agenda que está sempre atualizada. Você pode acessá-la clicando aqui.

O iDESV (Instituto Desenvolvimento Sistêmico para a Vida) é uma empresa privada, nacional, voltada para o ensino da Abordagem Sistêmica Fenomenológica segundo as bases desenvolvidas pelo filósofo alemão Bert Hellinger. Somos uma “escola livre” onde através do ensino das leis e posturas apropriadas as pessoas podem aprender como se beneficiar dessa abordagem em benefício próprio e até mesmo como ajudar outros, em diferentes contextos. Graças a uma autorização, do próprio Bert Hellinger em 2005, nossa empresa anteriormente denominada “Instituto Holon” foi renomeada com esse nome atual. Trabalhamos intensamente há mais de uma década na divulgação dessa abordagem pelo Brasil, bem como em outros países. Não somos uma filial administrativa do escritório de Bert Hellinger na Alemanha nem somos “representantes” dele no Brasil.

Caso ainda tenha alguma pergunta que não tenha sido respondida acima, queira, por gentileza, nos enviar.

Conheça mais sobre a Constelação Familiar